Blockchain, criptomoedas e outros termos: veja nosso dicionário

Blockchain, criptomoedas, minerar, exchange, carteira. Essas são algumas palavras que você deve ter ouvido por aí, especialmente porque as moedas virtuais têm recebido cada vez mais destaque. Em outro artigo falei sobre bitcoins, mas como sei que ainda há bastante dúvida a respeito desse universo, resolvi explicar os principais conceitos envolvendo o tema.

Minha proposta é que depois de ler possamos, eu e você, conversar mais a respeito. Afinal, de uma certa maneira tudo isso tem a ver com a segurança da TI (e se você é leitor do blog da Scurra, ou conhece nosso trabalho, já sabe que um dos itens de Tecnologia da Informação que mais nos preocupamos é a segurança dos dados corporativos). Vamos lá?

Do Blockchain às criptomoedas: vocabulário essencial

Blockchain: traduzida para o português, a palavra Blockchain significa cadeia de blocos. Imagine uma planilha duplicada milhares de vezes em uma rede de computadores. Agora, imagine que esta rede é projetada para atualizar regularmente esta planilha. É mais ou menos isso que é um blockchain.

As informações em um blockchain são como um banco de dados compartilhado e continuamente reconciliado. Isso significa que ele armazena blocos de informações idênticos em toda a rede.

Os registros do banco de dados blockchain são mantidos em vários computadores. Em outras palavras: se alguém for invadir o sistema para alterar os dados gravados na cadeia terá que invadir diversos outros computadores, cada um protegido de uma maneira. Por esse motivo é que o Blockchain é visto como uma tecnologia segura.

Voltando ao exemplo: você criou uma planilha que está em uma rede de computadores. Pelo blockchain, uma planilha só pode ser alterada após passar por um processo de verificação. Toda vez que ela for modificada um novo bloco é processado, aumentando a cadeia.

A beleza do blockchain é que os blocos não podem ser apagados ou alterados, ou seja, a criação de um novo bloco não deleta nem modifica os anteriores e, para melhorar, cada bloco é criptografado.

Criptomoedas: são também conhecidas por moedas digitais. A mais falada atualmente são os bitcoins, mas existem outras com oportunidades de ganhos reais. Para se ter uma ideia, no momento em que este artigo está sendo escrito existem mais de 1500 moedas virtuais registradas no Coin Market Cap. Algumas outras criptomoedas: Ethereum, Ripple, Stellar, Cardano. Este site apresenta as cotações.

Carteira: para ter criptomoedas o primeiro passo é possuir uma carteira virtual, que pode ser criada em diversos sites, gratuitamente. Pense na carteira como uma carteira de dinheiro normal, mas, nesse caso, ao invés de ser física, ela pode ser armazenada no smartphone, no computador etc.

Após a carteira ter sido instalada um endereço é gerado. É para este endereço que vai a moeda virtual. A cada nova transação, surge um novo endereço.

Transações de criptomoedas só são concluídas após serem validadas no blockchain. Uma pergunta bem comum é: como adquirir criptomoedas para a carteira? Expliquei sobre isso no artigo sobre bitcoins e indico a leitura caso você queira saber mais.

Todavia, para adiantar, existem dois termos bastante utilizados quando o assunto é “como ter moedas digitais”: mineração e exchange.

Exchange: uma das maneiras de comprar dólar é em casa de câmbio, certo? Moedas virtuais podem ser compradas em exchanges, que nada mais são do que corretoras.

Mineração/Minerar: se você já pesquisou sobre bitcoins, com toda certeza já se deparou com os termos mineração e minerar. Pois bem, para colocar moedas virtuais na sua carteira é possível comprá-las de outras pessoas, comprá-las em exchanges, aceitá-las na venda de produtos e/ou serviços, e por meio da mineração.

Mineração é um processo no qual o computador tenta decifrar códigos com valores criptografados que são gerados por um software e envolvem equações matemáticas de alta complexidade.

Ao minerar, você empresta a capacidade de processamento do seu computador e, com isso, mantém a infraestrutura funcionando. Quando uma equação matemática for resolvida, o proprietário da máquina é bonificado com uma fração de bitcoins. O processo, além de trabalhoso, exige uma máquina dedicada a isso, por isso a maneira mais comum de adquirir moedas virtuais é comprando-as ou aceitando-as na venda de produtos e serviços.

 

E aí, o dicionário conseguiu esclarecer melhor? Aqui procurei dar uma pincelada nos termos. O assunto é bem complexo e meu convite agora é para que possamos evoluir no tema e conversarmos mais a respeito. Deixe um comentário ou entre em contato. Será um prazer trocar conhecimentos com você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *