Desenvolvimento da internet rural no Brasil

“A banda larga se tornou a eletricidade do século XXI”. A frase é de Brad Smith, presidente da Microsoft. O executivo ainda diz que: “Sem isso, há pouca oportunidade de atrair novos negócios ou empregos”.

As frases foram extraídas de um artigo do executivo, publicado no LinkedIn, sobre a internet rural. De acordo com ele, parcerias entre a Microsoft e empresas de telecomunicações devem fazer com que a internet em alta velocidade alcance mais um milhão de pessoas nos EUA.

Como funciona a internet rural no Brasil?

Em 2002 o Canadá criou um programa denominado BRAND com o objetivo de trazer conectividade para todo o país, incluindo as áreas mais isoladas. No Brasil ainda estão sendo feitos alguns esforços nesse sentido.

Em maio de 2018, Gilberto Kassab, o então ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, afirmou que o campo contará com internet banda larga em todas as áreas rurais do território nacional. Isso será possível graças ao programa federal “Internet para Todos”, lançado em março do ano passado.

Para o programa acontecer, o governo federal investiu R$ 3 milhões para lançamento de um satélite da Telebrás (o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações – SGDC). A ação visa possibilitar a disponibilização de internet banda larga a todo o país. A ideia é que, até o fim de 2019, o acesso à internet chegue a todos produtores rurais.

Para saber mais sobre o programa e as regras de credenciamento das cidades, recomendo a página do Governo 2019.

Importância da internet rural

O agronegócio é um setor que contribuiu fortemente para a economia brasileira. Segundo cálculos do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o PIB do Agronegócio brasileiro cresceu 0,65% em maio de 2019. No acumulado do ano (de janeiro a maio), o PIB passou a apresentar alta, de 0,68%.

Isso mostra o quanto o investimento na internet rural é importante, pois possibilita os trabalhadores rurais a melhorarem seu trabalho e conhecimento por meio de ações como:

  • Verificar a previsão do tempo;
  • Consultar cotações agro;
  • Conquistar novos clientes;
  • Navegar em sites de notícias do ambiente rural;
  • Realizar transações bancárias;
  • Realizar lançamentos financeiros por meio de softwares e aplicativos.

Além dos negócios, a internet rural é importante também para a educação. Em um evento ocorrido em maio deste ano, no Palácio do Planalto, com a participação do presidente da República Jair Bolsonaro e do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, o astronauta Marcos Pontes, foi anunciado que mais de 6.500 escolas rurais serão beneficiadas com o satélite.

Gostou do artigo? Aproveite que está aqui e fique por dentro das novidades da TI. Acesse o blog da Scurra, acompanhe nossos materiais e mantenha-se informado. E para conhecer sobre nosso trabalho, acesse nosso site e/ou entre em contato. Será um prazer falar com você.

1 Comentário
  1. 2 meses ago
    Fernando S. schumacher

    Queria entender o que impede as grandes empresas de “avençarem” na oferta de serviços de qualidade, como a fibra, inclusive nas cidades. Não se vê movimentação nesse sentido e quando se vê é voltado a empresas e comércios, não para clientes finais, muito menos para as áreas rurais, enquanto isso as pequenas empresas, aproveitam esse “nicho” formado pelo desinteresse ou falta de oferta em produtos e serviços. Não vejo isso desde o tempo da ADSL, onde as empresas enxergaram o potencial vendo a perda da telefonia fixa pela móvel de vender casamentos de produtos desenhados como “pacotes” e “combos”, não no intuito de dar continuidade ou melhoria(a maioria hj está sucateada até para voz / analógico), mas no intuito de financeiramente sugar ao máximo a infra que já existia no momento, a falta de planejamento ou ambição egoísta dos diretores da época deixaram esse GAP que vemos hoje nas ruas, pior nas partes agrícolas. Se nem na maior cidade do estado não chega às vezes ADSL, quem dirá nas regiões rurais, onde atualmente quem explora, vezes não é auditado e muitas vezes nem homologado a prestar aquele serviço, mas eles sempre estão “prestando” serviços para alguém devidamente homologado.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *