Hora de falar sobre Ética na Tecnologia da Informação

Falta de privacidade, problemas na segurança, violação de direitos autorais e aumento de crimes cibernéticos são apenas alguns dos problemas que vemos despontar toda vez que uma nova tecnologia surge. Especialistas e usuários de TI acabam sem saber como lidar com esses desafios e muitas vezes são surpreendidos da pior maneira possível.

Em 2018, vimos o escândalo envolvendo o Facebook e o Cambridge Analytica. Infelizmente, nada garante que algo parecido não vá ocorrer. Ou que um outro problema venha a surgir. Por exemplo, quantas vezes você clicou em um termo de aceite sem se preocupar em ler o documento inteiro? Fazemos isso por confiarmos no “humano” que está do outro lado e por entendermos que existe – ou pelo menos deveria existir – ética na Tecnologia da Informação.

Por que precisamos falar sobre Ética na Tecnologia da Informação?

Só porque você pode fazer algo não significa que deve fazer. Como profissionais de TI temos a possibilidade de acessarmos o que não nos diz respeito e, em muitos casos, temos conhecimento para “violar” alguns padrões. É nossa responsabilidade agir de maneira ética no desempenho de nossos deveres de trabalho. Do contrário, corremos o risco de perder a confiança do usuário do outro lado e, como você sabe, sem essa confiança é impossível desempenharmos nossas funções com eficiência.

Um dos fóruns mais conhecidos entre os especialistas de TI é a QCON Conference, realizada em Londres. O tema “ética na Tecnologia da Informação” é tão relevante especialmente nos dias atuais que inclusive fez parte da agenda do evento realizado em 2018.

E engana-se quem pensa que o assunto começou a ser discutido agora. Conforme conta Dora Kaufman em artigo publicado no Valor Econômico, o filósofo sueco Nick Bostrom, no artigo “The Ethics of Artificial Intelligence”, disse, em 2011, que:

“Podemos alterar, copiar, encerrar, apagar ou utilizar programas de computador tanto quanto nos agradar […] As restrições morais a que estamos sujeitos em nossas relações com os sistemas contemporâneos de IA (Inteligência Artificial) são todas baseadas em nossas responsabilidades para com os outros seres”.

Essas “responsabilidades para com os outros seres” não estão só no campo da Inteligência Artificial, mas também quando disponibilizamos um termo de aceite para um usuário, por exemplo. Ou, quando por meio da ciência de dados em conjunto com a IA atravessamos uma linha tênue entre o que é ético e o que pode resultar em problemas à segurança e privacidade das pessoas. A discussão, como comentei, não é recente, mas vejo que temos muito que analisar especialmente face às novas tecnologias.

Por fim…

A ética na Tecnologia da Informação, assim como em tudo na vida, tem a ver com o certo e errado para orientarmos nosso comportamento. Na TI, a ética deve, acima de tudo, salvaguardar a sociedade através do uso responsável dos sistemas de informação. Como profissionais da área temos o nosso código de ética, mas precisamos estender a conduta para todas as áreas, para que tenhamos em mente que o direito à privacidade e o cuidado ao manusearmos informações são fundamentais.

E você, o que pensa sobre a Ética na Tecnologia da Informação? Fique à vontade para compartilhar sua opinião. Caso tenha interesse em acompanhar nossos outros materiais, visite o blog da Scurra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *