Internet Explorer, Chrome ou Firefox? Qual navegador escolher?

Na batalha dos navegadores, para onde vão suas apostas: Internet Explorer, Chrome ou Mozilla Firefox? Se você fizer parte da maioria, com toda certeza suas fichas vão para o Chrome. Isso é o que mostra uma pesquisa divulgada pelo Tecmundo.

Na reportagem do site, conforme dados da Statcounter, o Chrome está presente em 66,87% dos computadores. Em segundo lugar vem o Firefox, com 11,4%, e o Internet Explorer ocupa a terceira posição, com 7,13% de alcance. Safari e Microsoft Edge ficaram em quarto e quinto lugares (5,38% e 4,16% respectivamente). Os 5,02% restantes compõem a lista de outros navegadores.

Mas, é aquela história, o que é bom para um, pode não ser tão bom assim para outro. Por isso, neste post proponho analisarmos cada navegador. Assim, você poderá ter as informações que precisa para escolher o que mais se adequa às suas necessidades.

Segurança nos navegadores

Aqui na Scurra nos preocupamos muito com a segurança dos dados, por isso, ao escolher um navegador veja como o desenvolvedor está agindo contra as constantes ameaças de segurança.

Quando se trata de violação dos dados, provavelmente o Internet Explorer (da Microsoft) tem o pior histórico, com muitas falhas de segurança expostas. Mas, para sermos justos, a Microsoft costuma fazer correções rápidas e procura por melhorias.

O Firefox (da Mozilla) não lançou nenhuma nova tecnologia para lidar com ameaças de segurança, mas conta com um programa de recompensas no qual uma comunidade de usuários trabalha para descobrir possíveis falhas de segurança. A Mozilla, em seu manifesto, diz que “a segurança e a privacidade das pessoas na Internet são fundamentais e não devem ser tratadas como opcionais”.

Por último, mas o mais amado de acordo com a pesquisa, vem o Chrome. O navegador da Google é considerado o mais seguro do mercado.

Escolhendo o navegador

Além do quesito segurança, analisaremos outras particularidades de cada browser:

Chrome

O Chrome é o navegador que pode estar presente em todos os lugares. Ele integra-se totalmente com a conta do Google e possui uma vasta quantidade de aplicativos para dispositivos móveis. Aliás, quando o assunto é mobilidade e sincronização dos dados, o Chrome ganha em disparado.

Com um aplicativo para dispositivos móveis disponível nas principais plataformas, ao escolhê-lo é possível navegar entre vários dispositivos e garantir que, ao fazer um login na sua conta Google, todos os seus favoritos, dados salvos e preferências do Chrome sejam acompanhados.

Além disso, o navegador possui uma interface simples e rápida velocidade. Os controles de privacidade e segurança são definidos em linguagem simples. Como outro ponto positivo temos a biblioteca de extensões na Chrome Store. Graças a ela os usuários podem personalizar completamente sua experiência de navegação.

Um lado negativo é que o Chrome é considerado como um devorador de memória, então se você for do tipo que realiza muitas tarefas ao mesmo tempo isso pode ser um problema. Somado a isso, temos a questão de privacidade, que é questionável porque a Google coleta dados do usuário, incluindo localização, histórico de pesquisa e visitas aos sites.

O Chrome, assim como os demais navegadores, oferece uma opção de sessão privada. Sessões privadas impedem o armazenamento de histórico, arquivos temporários da Internet e cookies.

Mozilla Firefox

Segundo colocado de acordo com a pesquisa mencionada no início, o Firefox existe há mais tempo que o Chrome. Justamente por isso alguns aplicativos da Web mais antigos funcionam melhor no Firefox. Por esse motivo, nunca é demais mantê-lo por perto.

O navegador possibilita a sincronização de favoritos, abas abertas, histórico e senha em todos os dispositivos, perfis ou versão do Firefox. Além disso, conta com a Safe Browsing API do Google para detectar sites potencialmente perigosos. Assim como o Chrome, também oferece uma opção de sessão privada.

O ponto negativo do navegador da Mozilla é que, conforme relatado pela página de suporte da Mozilla, “a partir da versão 52 do Firefox, o suporte a todos os plugins NPAPI – exceto o Flash – foi encerrado”.

Internet Explorer

Dizem que quem é rei nunca perde a majestade. A frase não se aplica aqui, pois os tempos em que o IE reinava na preferência ficaram para trás. O navegador encontrou problemas quando a Microsoft integrou o IE ao Windows. Isso acabou forçando seus usuários a usá-lo, especialmente porque a Microsoft dificultou sua desinstalação bem como o uso de outro navegador.

Muita coisa aconteceu e o Explorer fez alguns avanços. Hoje, ele utiliza menos memória RAM e CPU que seus concorrentes (Firefox e Chrome). A aparência é modesta, com uma única barra que funciona como uma barra de pesquisa de endereços e de pesquisa (o Bing). Assim como os outros dois navegadores, o Explorer também oferece uma opção de sessão privada.

Ao contrário do Chrome e do Firefox, o IE não é tão capaz de lidar com extensões. Portanto, se você estiver procurando por uma experiência de navegação mais personalizada, o Explorer não poderá te ajudar.

Para fechar…

Em linhas gerais, acredito que o Chrome continue sendo o grande vencedor, especialmente no que tange ao quesito de segurança. Outro ponto positivo do navegador da Google é sua utilização e sincronização de dados em vários dispositivos. Quem usa Android tende a ter uma maior afinidade com ele.

Na disputa entre Internet Explorer, Chrome e Mozilla Firefox quem sai na frente, na sua opinião?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *