Cibersegurança em tempos de trabalho remoto

Com o aumento da adoção do trabalho remoto, o mundo corporativo viu também crescer a preocupação com a cibersegurança. Apesar de essa preocupação já existir no passado – com representantes, diretores e filiais que utilizavam os sistemas corporativos de forma remota -, a pandemia do Covid-19 trouxe o assunto para perto de muitas empresas que precisaram adotar o home office para continuarem operando.

Infelizmente, hackers passaram a aproveitar-se da vulnerabilidade dos equipamentos e da falta de atenção das organizações para se infiltrar nos servidores de computadores e roubar dados pessoais ou privados. Para você entender o panorama da situação, segundo esta matéria da Olhar Digital, ataques direcionados a ferramentas que permitem acesso remoto aumentaram 333% no nosso país entre fevereiro e abril deste ano.

Informações como essa estão disponíveis em vários sites, todos alertando os usuários quanto aos perigos dos ataques dos hackers. Assim como você, não queremos que sua empresa seja vítima, por isso, elencamos algumas medidas que podem ser colocadas em prática para proteger sua TI.

1. Reforce a segurança da rede de TI

Quando seu funcionário trabalha remotamente significa que as informações corporativas circulam em redes domésticas. Em outras palavras: tanto seu funcionário quanto o seu negócio estão vulneráveis aos ataques maliciosos.

Para reforçar a segurança da rede de TI da sua empresa, configure uma VPN (Virtual Private Network) para que todas as conexões remotas passem por ela. Basicamente, VPNs fornecem conexões seguras à rede de computadores de uma organização.

Além de tornarem possível o acesso remoto, elas criptografam as conexões, tornando a circulação de dados mais segura. Ainda, as informações sobre VPNs podem ser armazenadas e acessadas na nuvem, aumentando o desempenho, a confiabilidade e, claro, a segurança.

2. Atenção aos dispositivos pessoais

Pode ser que para trabalhar home office o colaborador precise utilizar seus dispositivos pessoais. Engana-se quem pensa que a responsabilidade da segurança, nesse caso, seja do funcionário. Se você quiser garantir proteção aos dados e à sua rede de TI, é fundamental também garantir que os PCs (mesmo que pessoais) estejam protegidos.

Tenha em mente que a segurança de dispositivos quase sempre precisa ser reforçada, pois os aparelhos domésticos costumam ser um alvo fácil. Para isso, é importante que os dispositivos e redes utilizados pelo seu colaborador sejam auditados em busca de pontos fracos (em muitos casos, será preciso instalar ou atualizar programas antivírus, como comentamos adiante).

3. Garanta bom uso das ferramentas de reunião

Com a videoconferência em alta, ferramentas como Microsoft Teams, Google Hangouts e Zoom tornaram-se populares. Como você sabe, esses aplicativos não são infalíveis. Para tentar garantir a segurança das reuniões virtuais, alguns hacks incluem: bloquear a sala após início da reunião, verificar os links para os encontros, usar salas de espera virtuais e, se for o caso, adotar os fundos borrados nos vídeos.

Os usuários também podem bloquear salas após o início das reuniões. Todas essas medidas ajudam a evitar que partes externas entrem em encontros confidenciais.

4. Senhas, firewall e antivírus

Conselhos práticos, que funcionam sempre para proteção de computadores, como uso de senhas fortes ou métodos como a autenticação de dois fatores, devem ser sempre seguidos. O ideal é que o uso de senhas fortes já esteja em prática na empresa, mas caso negativo, adote-a para garantir mais segurança.

Além disso, instale firewalls nos computadores utilizados por seus colaboradores. O firewall atua como um guardião da rede e pode ser um software ou um hardware. Entenda melhor neste artigo.

Se por um lado o firewall será útil para controlar o acesso ao PC ou à rede durante o fluxo de dados, por outro será necessário ter uma ferramenta que combata arquivos infectados que podem estar em arquivos ou programas baixados pelo usuário. Para cumprir com essa tarefa, existem os antivírus.

Todos os seus funcionários que estão fazendo trabalho remoto – seja em dispositivos pessoais ou fornecidos pela empresa – devem possuir antivírus atualizados e que garantam segurança e performance ao aparelho. Muitos antivírus pagos já possuem firewall e cabe à sua empresa fornecer o software correto.

5. Aumente a conscientização e forneça suporte para o trabalho remoto

É responsabilidade da empresa fornecer instruções claras sobre o que os funcionários podem ou não fazer e sobre os riscos de segurança associados ao home office. Isso tudo pode estar expresso em um documento (chamado de política de segurança) com todas as boas práticas a serem adotadas e os cuidados que os colaboradores devem ter.

Lembre-se que os usuários são a primeira linha de defesa contra ataques cibernéticos. Por isso, é seu papel, como empregador, reforçar a segurança da TI e fornecer suporte aos trabalhadores remotos sempre que necessitarem. Caso precise de ajude, entre em contato com a Scurra!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *